Este é um blog pessoal, onde colocarei textos escritos por mim em momentos de alegria e de angustia e textos que chegam em minhas mãos através de e-mails de amigos e que de alguma forma tocam meu eu interior.

8 de março de 2013

Jardim de Amigos

Existem dias que tem tudo para ser perfeitos, estamos com quem amamos, a calma e a alegria imperam, mas, sempre acabamos criando um mas, dentro de nós algo não está bem.
A tristeza está escondida lá no fundo e teima em brotar, quer estar presente, os pensamentos pululam como pipoca na panela e não deixamos a alegria reinar.
Teimamos em deixar a desunião, a falta de amor mutuo, em nos culparmos pelo fracasso da unidade entre a família, em deixar as resoluções que temos que tomar ficarem mais forte dentro de nós do que a nossa decisão de ser feliz e resolver uma coisa de cada vez.
Ficamos mal conosco e não nos entregamos ao momento de felicidade presente. Seria tão bom se fosse possível fechar as gavetas da memória e ir abrindo uma de cada vez, uma em cada momento, ao invés de abri-las de uma vez só e no caos formado não saber qual o caminho a seguir, ou melhor saber e teimar em tomar outro, o mais longo e mais difícil.
O cansaço, a desilusão, a tristeza, a culpa, a dor, a dúvida, a fraqueza ficam tão grandes como um monstro em um pesadelo. Aí precisamos buscar escondidinho lá no fundo o que aprendemos, onde é nossa fortaleza,  começar a praticar o amor por nós mesmos e por quem merece nosso amor, buscar a nossa valorização que ficou em uma gaveta fechada e começar a usá-la, olhar ao redor e ver quantos amigos, quantas pessoas nos amam e o jardim florido que criamos com cada uma dessas pessoas, fechar as gavetas negativas e aprender a abrir uma de cada vez e resolver o que está ao nosso alcance, o restante vamos resolvendo aos poucos.
Deixando cada vez nosso jardim e o jardim dos amigos mais bonito com a colaboração mutua e a amizade verdadeira.